Sexualidade Divina

Por Maria Adelina (Homenagem) em Dezembro 2021

Tema Consciência / Publicado na revista Nº 24
201 visualizações

Em pleno século XXI, a sexualidade e o sexo continuam a ser tabu, agora já não pela proibição ou negação, mas pelo abuso e banalização do mesmo o que, e de uma outra forma continua a sujá-lo e como algo a esconder.

Ao longo dos séculos, nada tem sido mais manipulado e distorcido do que o sexo.

Pelo apelo da tremenda força e energia sexual, reinos se criaram e reinos caíram. Na sua expressão mais elevada, o sexo é a experiência espiritual mais importante entre duas pessoas no mundo físico.

É um meio através do qual podemos conectar-nos com os níveis mais altos de nós mesmos e acionar o nosso fantástico poder criativo. Desde sempre, o poder instituído, normalmente controlado pela religião, reconheceu o poder dessa força, e como tal, sempre tentou assumir o seu controlo, utilizando como ferramenta principal o medo. Assim, há séculos que a função mais complexa, e uma das vias que nos podem ligar a outras esferas e planos superiores, foi obstruída pela imposição do “pecado”.

Mas reparem que o conhecimento existia, pois através dos séculos a energia sexual foi muito utilizada nos rituais das escolas iniciáticas ocultas, das mais diversas civilizações.

Atualmente, invertem-se os valores, mas os resultados não são menos danosos. O abuso indiscriminado da sexualidade como produto vendável, apenas acumulou outras situações ás já gravadas na nossa memória coletiva, nenhuma delas favorável á perceção e entendimento dessa,.. creio que a mais maravilhosa ferramenta de ascensão, que é a nossa sexualidade.

São preocupantes os altos valores de disfunções sexuais registadas, principalmente as masculinas, que se devem além das causas já referenciadas, ao descuido, ao esquecer, ou ao mau uso dessa parte tão importante da nossa vida e do nosso ser. E que, como a outras coisas fundamentais da nossa vida, relegamos para segundo plano, para as quais deixamos de ter tempo, disponibilidade ou respeito.

Para entender isto, precisamos analisar a natureza da experiência física e o facto genético a que chamamos corpo.

Como sabemos, o que observamos com os olhos é apenas o nível físico do nosso corpo, em níveis não visíveis está, entre outras coisas a consciência e a nossa aura. A aura é uma amálgama dos campos de energia que juntos constituem aquilo de nós que pensa, sente e se emociona.

Um desses níveis, o etérico, é a inteligência que organiza a substituição das células, controla o sistema elétrico e, genericamente, governa as atividades do corpo. Quando a energia etérica fica desbalanceada, quando está em desarmonia emocional, essa desarmonia emocional transforma-se em doença física. Alguns desalinhos etéricos, por exemplo, alteram a substituição suave das células e isto vem a nós na forma das mais graves doenças. O sistema imunológico é também controlado pelo etérico e, portanto, as influências emocionais e electromagnéticas podem prejudicar seriamente as defesas naturais de nosso corpo o que nos torna mais suscetíveis a doenças.

Não podemos falar de energia etérica sem falar de Chacras, ainda que de forma muito limitada, devido ao tempo. Reconhecer a existência do sistema de chacras é vital para compreender o significado real do sexo.

Dos 7 chacras principais, os 3 mais baixos ligam-nos à Terra, e os 3 superiores ligam-nos ao espírito, e o do coração é o centro de equilíbrio entre eles. O centro de controlo deste sistema é a glândula pineal no centro do cérebro, que se conecta com o chacra do "terceiro olho" situado na testa, nossa visão psíquica. A pineal e as outras glândulas do sistema endócrino soltam hormonas no corpo em resposta a mudanças nos estados dos chacras, e estas hormonas afetam o estado do corpo físico de forma positiva ou negativa.

O chacra da raiz, na base da coluna vertebral, acolhe uma energia conhecida como Kundalini, outro termo sânscrito que significa serpente ou cobra adormecida. A Kundalini é parte da força da vida e ela provê a energia sexual que desenvolve o nosso potencial criativo. O desenrolar da Kundalini afete-nos de muitas outras formas, além de sexualmente. A energia que as pessoas usam para criar uma pintura, livro, discurso ou um vaso, é a mesma energia que estimula a atividade sexual. É a mesma força criativa, que cria uma nova vida. Se a energia criativa é suprimida, o seu poder torna-se desalinhado. Isto acabará por se manifestar de outras formas – através da violência, crimes, guerras e depressão. Quando a força criativa é suprimida ela torna-se destrutiva. E isto aplica-se também e certamente ao sexo.

Uma Kundalini poderosa dá-nos uma forte conexão magnética com a Terra e quando ela se eleva até ao chacra da coroa no topo da cabeça, conecta-nos com outros chacras em níveis mais elevados do nosso ser.

E isto é o que os seres humanos procuram, um equilíbrio do físico com o espiritual. Para subir através dos chacras e fazer a conexão com os níveis superiores, a Kundalini precisa passar pelo chacra sacral, o centro da sexualidade, e pelo chacra do plexo solar, o centro das nossas emoções. No entanto, estes centros podem estar com tanta quantidade de negações, traumas, medos e emoções negativas, que eles agem como uma represa vibratória, revertendo a Kundalini para voltar sobre si mesma e criando uma vida inteira de tumulto naquela parte inferior do abdómen que geralmente resulta em doença física. Estas "represas" também impedem o fluxo poderoso da Kundalini de ativar o potencial dos chacras superiores, o do coração, da garganta, do terceiro olho e da coroa, e, portanto, tornando impossível uma conexão verdadeira com as dimensões espirituais superiores de nós mesmos. O sexo tal como é colocado pela religião e pelos tabloides, que jogam entre o exacerbado apelo sexual e a hipocrisia social pode manter-nos numa prisão mental e emocional, enquanto que o sexo cósmico pode elevar-nos às estrelas. Mas claro…O que é sexo no nível cósmico? Sexo tornou-se um evento físico quando ele realmente tem o potencial para ser um êxtase multidimensional. Existe o sexo dito normal, uma experiência física extraordinária, cujo objetivo é o orgasmo e a ejaculação – ou seja a projeção para o exterior da energia, uma perda de energia. Isto na maior parte das vezes deixa os parceiros cansados e frequentemente com uma sensação de vazio.

Mas, existe o sexo multichacra que nos eleva para os reinos espirituais do ser. Isto acontece quando a energia estimulada no chacra raiz sobe através de todos os outros chacras e explode para fora, na aura, como um orgasmo espiritual ao invés de apenas uma ejaculação física, apesar que pode haver uma combinação dessas duas coisas. Isto é um amor espiritual ao invés de sexo, porque é predominantemente espiritual, e não físico. Neste caso é perfeitamente possível acessar níveis de consciência, muito além deste plano físico. Quando se vive essa experiência com um parceiro, pode ser difícil vivenciar satisfatoriamente o sexo com outra pessoa, no entanto acredito ser possível, assim exista a empatia, abertura, respeito e amor, que eleve o acto sexual aos níveis descritos.

Independentemente da opção de cada um em termos de liberdade sexual, e na certeza que não há certo nem errado, apenas experiências que tem que ser vividas, mas é bom refletir que quando temos atividade sexual, em maior ou menor escala, acabamos por incorporar as energias da outra pessoa. Absorvemos vibratoriamente, parte dessas pessoas, parte da sua essência. Com quem fazemos amor tem consequências para ambos os parceiros muito tempo após esse evento. Ou seja que uma promiscuidade acentuada a nível sexual, pode levar a alterações de personalidade, pela incorporação das energias do ou dos parceiros correspondentes, e pela qualidade / tipo dessas mesmas energias.

É ainda comum o vampirismo energético através do sexo.

Mas voltando ao sexo cósmico, este deixa as pessoas repletas de energia, e não cansadas, e isto é transmitido para cada célula do corpo, estimulando-as para vibrarem mais rápido e assim, fazer-nos sentir "vivificados" e providos com mais energia criativa que pode ser expressa noutras áreas de nossas vidas.

Aconselho o estudo do Tantra, filosofia muito antiga e que no plano sexual, percebeu a imensa potencialidade da energia sexual que consideram sagrada, e que através da filosofia tântrica é transformada numa fonte de energia inesgotável, capaz de agir no estado psíco – físico que por sua vez reage num plano cósmico superior.

Para alcançar estes níveis cósmicos do sexo, não existem normas, apenas experiências no caminho, cada pessoa é diferente, no entanto creio que duas coisas são fundamentais além obviamente do sentimento que una os parceiros, uma é o enterrar definitivamente todos os estigmas relacionados com a atividade sexual, a outra é a auto-estima, sabendo que nenhuma condição, seja de idade, tipo físico, cultural ou social pode ser impeditivo para essa realização suprema.

Há quem afirme que quando fazemos amor com outro ser humano, estamos na realidade, a fazer amor com uma parte de nós mesmos. Quando atingimos o estágio de orgasmo multichacra cósmico, nós estamos a fazer amor com o Universo, com a Criação, com tudo que existe, e estaremos a disponibilizar mais energia criativa para todos usarem e beneficiarem.

Bom, o tempo esgota-se, tanto mais havia a dizer, inclusivamente forma, ou fórmulas, experiências, que possam ajudar os outros a encontrarem o seu próprio caminho para essa vivência suprema, para esse “Samadhi”

(termo sânscrito, que significa, estado alterado de consciência divino ou divinal) mas por hoje é tudo.

Mas não esqueçam que sexo é divino, mantém-nos saudáveis, é belo na união espiritual de dois seres, auto -promove-se e auto-qualifica-se, ou seja quanto mais se pratica, mais, e com melhor qualidade se pode praticar.

Maria Adelina

(Recordando a nossa querida amiga que já não está neste plano, mas reside no coração de todos aqueles que a conheceram. Maria Adelina era uma inspiradora, e deixou-nos um legado imenso pelas suas partilhas de reiki e do seu conhecimento.)


ARTIGO SUGERIDO

ASTROLOGIA – QUANDO OS VULCÕES ACORDAM

ASTROLOGIA – QUANDO OS VULCÕES ACORDAM

Silvana Correia
Por Silvana Correia em Outubro de 2021
Tema Consciência / Publicado na revista Nº 23
988 visualizações

Segundo a Teoria de Gaia, proposta em 1970 pelo cientista inglês James Lovelock, a Terra é um ser vivo, um auto organismo que se regenera no sentido de ...
Ler mais

OUTRAS LEITURAS

Ser vegan com sabor

Por Manuel Laranjeira
61 visualizações

Este livro ensina e demonstra que se pode ser vegan comendo com todo o prazer, sabor e sensação dos produtos tradicionais.

Não se destina apenas a veganos mas sim a todas as pessoas que ...
Ler mais