Silvana Correia

Mapa Astrológico - um guia da Alma

Por Silvana Correia em Novembro de 2020

420 visualizações

Importa primeiro definir mapa astrológico natal. No momento exacto da primeira respiração de um indivíduo aquando o seu nascimento, nesta encarnação, os corpos celestes (como planetas, Sol e Lua) estavam numa determinada posição no nosso sistema solar. O mapa astrológico natal representaria uma fotografia à posição dos corpos celestes nesse instante, observados num determinado ponto do planeta Terra.

Neste sentido, ao nascermos, reproduzimos, à nossa escala, o jogo de forças que se passa no Universo, transformando-nos no que poderíamos designar por uma espécie de micro sistemas solares. Esta matriz energética, impressa no nosso ADN, é o nosso bilhete de identidade cósmico. Importa sublinhar que esta matriz energética  vai acompanhar-nos dinamicamente ao longo de todo o nosso processo de vida. Como afirma Confúncio:

“O poder da força espiritual é o cosmos - como é evidente em tudo! Ele é invisível para os olhos e silencioso aos ouvidos, inseparável de tudo e nada pode impedir.”

Para Plotino, filósofo neoplatónico, “O horóscopo é uma carta de amor de Deus codificada e dirigida  ao  ser humano." Esta carta de amor, escrita pela linguagem simbólica dos arquétipos dos planetas, não nos fala apenas de traços de personalidade — muito redutor —, ela transcende a persona. Ela expressa a energia daquela alma e a sua “tarefa” para esta encarnação.

Segundo Rudhar, “A astrologia é uma técnica da conquista da sabedoria." Efectivamente, a grande dádiva que a Astrologia nos traz é a abertura da consciência. Passamos a compreender, – à  luz da nossa consciência, certos acontecimentos - ciclos da vida. Sentimo-nos mais livres, uma vez que entendemos que podemos escolher fluir com os ritmos e ciclos que estão mais harmonizados com a nossa essência e a nossa potencialidade. E é esta liberdade conectada, responsável e consciente, que nos move em direcção aos ciclos “mais favoráveis” para o crescimento de alma, que torna a Astrologia tão mágica e apaixonante – Astrologia Evolutiva.

A leitura do seu BI Cósmico – mapa astrológico – permite:

  • Iluminar caminhos mais felizes em diferentes áreas – profissional, relações, grupos;
  • Compreender ciclos de vida;
  • Iluminar pontos fortes e fracos;
  • Iluminar/ entender os dons, medos, respostas instintivas e condicionadas,
  • Entender padrões de relacionamento – família, parceiro (a), amigos;  
  • Entender porque atraímos sempre o mesmo padrão de relações;
  • Compreender a força e habilidade necessária para passar por cada etapa da  existência;
  • Entender a razão pela qual surgem situações desafiantes em determinadas áreas de vida – profissional, financeira, relações, família, saúde;
  • entre outros;

A título de exemplo, imaginemos um indivíduo com a seguinte configuração natal  (BI cósmico): lua em conjunção com plutão. Possivelmente, esta assinatura energética, levar-lhe-á a sentir padrões de medo, insegurança, instabilidade emocional, apegos, capacidade de sentir para além da superficialidade,  tudo é muito profundo e por vezes avassalador; pode haver tentativa de domínio e de controlo – consciente ou inconscientemente ou exploração dos sentimentos dos outros, poderá ter tido experiências traumáticas na infância, relação desafiadora e intensa com mãe. Apresentei a análise  mais desafiadora, contudo, há obviamente aspectos positivos nesta mesma assinatura.

Considero que o mais relevante não é afirmar que o indivíduo tem essa proposta de “tarefa” no âmbito emocional, mas sim compreender o que significa essa matriz energética cósmica num campo mais vasto do seu processo evolutivo nesta encarnação, como ser espiritual que é.  Nesta óptica, estamos na esfera da Astrologia Evolutiva. O indivíduo ao entender a “espada” que sente no seu peito, pronta para o ferir, quase como uma fatalidade do destino, ela deixa de ser “sentida” como uma “espada” e passa a ser apenas um novelo energético que carrega  no  seu ADN, na sua vibração, desde que a sua alma “entrou” neste plano. Quando o observador flui por essa energia sem medo, dissolvendo, curando o “novelo energético” mais denso, acontece um desbloquear de padrões. O “rio sem pedras” segue o seu curso sem atropelos, mais feliz, consciente da sua direcção, intento — o mar. De facto, é possibilitado ao indivíduo reconhecer que não está perante algo estático, antes dinâmico. Energia mutável. O “convite” ao longo da vida é: cura e transforma esse novelo energético, vive num Estado de Ser  mais consciente – ultrapassa o véu – desperta do  “sono”.

Importa levantar aqui algumas questões relevantes: será que todos sentimos o BI cósmico com o mesmo estado de consciência? Estamos igualmente conscientes da “proposta” dessa matriz energética que nos envolve e impele? Entendemos a sua mensagem? Sofremos ou nos é confortável no mesmo grau que todos os indivíduos? Somos vítimas desta matriz energética impressa em nós que se revela numa personalidade, em aptidões, propensões e tendências, em percursos de vida? Não. Somos seres individuais com diferentes níveis de evolução e consciência.

Nesta linha de visão, é interessante referir Dane Rudhyar, astrólogo incontornável do início do séc. XX , profundamente influenciado pelo pensamento de Carl Jung, que apresenta uma nova dimensão do estudo da astrologia -  a Astrologia Humanista. A astrologia centrada na pessoa e não no evento. Segundo Rudhyar, “Se as acções de uma pessoa atendem sempre a necessidades profundas sentidas por ela, e originárias de seu próprio inconsciente, a astrologia deveria ser utilizada para facilitar a descoberta dessas necessidades profundas.”. Rudhyar foi revolucionário ao introduzir uma nova abordagem filosófica na astrologia a partir de conhecimentos psicológicos.

Numa perspectiva evolutiva, Rudhyar sublinha aquilo que entendo ser dos aspectos mais relevantes na leitura de um mapa astrológico: o indivíduo passa a compreender as forças inconscientes exercidas pela energia cósmica que habita em si e que “dirigem” o seu comportamento. A ênfase é colocada mais no universo interno e menos no acontecimento. Neste sentido, ele coloca o individuo como alguém que pode exercer poder sobre uma energia que aparentemente o comanda quase como se fosse uma fatalidade do destino restando apenas esperar “o acontecimento” chegar. Na verdade, tendo por base a Astrologia Humanista de Rudhyar, as forças planetárias indicam apenas um potencial que ocorreria face a um sistema próprio — personalidade. Como afirma SriYuktéswar, mestre de Yogananda: ”Astrologia é o estudo das reações do homem aos estímulos planetários. Os astros não têm qualquer benevolência ou aversão consciente; eles meramente enviam radiações positivas ou negativas. Ele pode transcender qualquer limitação, em primeiro lugar, porque possui recursos espirituais que não estão sujeitos à pressão planetária”.

Não somos vítimas, somos co-criadores de uma nova energia , de um novo Estado de Ser. Harmonizar as diversas faces das forças cósmicas que vibram na nossa essência, foi o desafio no qual nos propusemos a um outro nível.  

Silvana Correia


ARTIGO SUGERIDO

O que nos podem ensinar as cerejas!    Fruto do COVID 19

O que nos podem ensinar as cerejas! Fruto do COVID 19

Leonel Duarte
Por Leonel Duarte em Maio de 2020
Tema Desenvolvimento Pessoal
2771 visualizações

Como muitos de nós, tenho estado por casa, limitando as minhas saídas a idas ao supermercado e pouco mais. 

Nas minhas poucas saídas tenho reparado que um pouco por todo o lado ...
Ler mais

OUTRAS LEITURAS

O Livro Sagrado de Takumah

Por Carlos Carvalho
119 visualizações

"Todo este trabalho é direcionado à Humanidade do Planeta Terra.

Este livro compõe-se do instante existente nos meus diários ...
Ler mais